Review: Banishers: Ghosts of New Eden é tudo isso mesmo? Análise completa!

Banishers

Compartilhe

Banishers: Ghosts of New Eden é o novo jogo do já consagrado estúdio francês Dontnod Entertainment. Após o sucesso da parceria com a Square Enix em Life is Strange, a empresa expandiu suas fronteiras e estabeleceu novas colaborações, sendo a mais significativa com a Focus. Após o lançamento de Vampyr, um jogo que dividiu opiniões, mas que obteve sucesso comercial, a Dontnod alcançou um novo patamar. Inspirado nessa experiência e utilizando recursos adquiridos com esse projeto, nasceu Banishers: Ghosts of New Eden.

Quando foi anunciado alguns anos atrás, Banishers: Ghosts of New Eden deu a impressão de ser um projeto ambicioso, com características semelhantes a The Witcher. No entanto, após os primeiros gameplays, ficou evidente que o jogo também incorporaria elementos de God of War. Agora, com o jogo em mãos, podemos afirmar que se trata de uma mistura de ambas as influências em um projeto bastante ambicioso. Mas será que Banishers: Ghosts of New Eden atende às expectativas? Vamos descobrir agora!

Sinopse

Banishers
- PUBLICIDADE -

Banishers: Ghosts of New Eden se passa na cidade de New Eden em 1695. Os protagonistas são Red Mac Raith e Antea Duarte, dois banidores unidos pela vocação e por um grande amor. No entanto, convocados para uma missão por um velho amigo, Red e Antea se deparam com um mal muito maior do que esperavam, resultando na morte de Antea e na transformação dela em uma fantasma.

Os banidores são especialistas em ajudar os vivos a lidar com os mortos, seja apagando sua existência ou ascendendo-os ao céu em um ato de empatia e fé. Após a morte de Antea, o amor de Red por ela a mantém ligada a ele no plano terreno. A aventura do jogo gira em torno de você, como jogador, escolher se tentará dar o descanso eterno para Antea ascendendo-a ou se tomará as vidas dos colonos de New Eden para realizar um ritual macabro que poderá devolver a vida a Antea.

As escolhas são uma parte constante da experiência de Banishers: Ghosts of New Eden e refletem a popularidade e a expertise da Dontnod em jogos narrativos. Assim como em Vampyr, estamos diante de um jogo robusto que leva a narrativa por caminhos curiosos, ao mesmo tempo em que apresenta um gameplay e sistemas avançados.

- PUBLICIDADE -

Gráfico e som de Triplo A?

Banishers

Embora Banishers: Ghosts of New Eden pareça um jogo de alto orçamento devido ao seu visual, na verdade é um título double A. Isso significa que seu escopo é menor, embora seja o jogo mais ambicioso da Dontnod até hoje, o que se reflete em todos os aspectos técnicos. Desenvolvido na Unreal Engine 5, o jogo apresenta um visual incrível, com uma variedade de cenários que poderiam facilmente se tornar cartões-postais, repletos de detalhes e ambientes impressionantes. No entanto, tudo isso vem com um custo, já que o estúdio não é gigante e enfrenta desafios para garantir um desempenho ideal.

Joguei no PC com uma GeForce RTX 4080, uma placa de vídeo poderosa que deveria rodar o jogo sem problemas. No entanto, mesmo utilizando o DLSS da Nvidia, precisei reduzir a resolução para 1440p para obter 60FPS, e ainda assim enfrentei quedas constantes durante a experiência. Mesmo ajustando mais a resolução e o DLSS para performance, não vi muita melhora. A Dontnod precisa otimizar ainda mais o desempenho do jogo no PC. Utilizando o Frame Generation da Nvidia, obtive resultados melhores, mas ainda há espaço para melhorias. Já com o FSR 2 da AMD, os resultados não foram tão bons quanto o DLSS da Nvidia, resultando em imagens de qualidade inferior.

Apesar disso, Banishers: Ghosts of New Eden apresenta gráficos excelentes, especialmente nos personagens principais, embora alguns personagens menos importantes na história sejam menos detalhados. As expressões faciais e os movimentos gerais não são excepcionais e refletem as limitações do orçamento. No entanto, as vozes e atuações dos personagens são incríveis, transmitindo a emoção necessária em todas as histórias que o jogo conta. Embora não haja dublagem em português do Brasil, as legendas em pt-br ajudam a compreender tudo.

As músicas são incríveis, passando uma sensação de desolação, de tristeza, em um mundo muito bonito, mas que realmente reflete que há um mal destruindo as pessoas que ali estão.

Escolhas são definitivas

Durante sua jornada, Red e Antea enfrentarão uma série de escolhas difíceis que definirão não apenas o destino deles, mas também o dos colonos de New Eden. Essa dinâmica de escolhas desafiadoras é característica da Dontnod e, aqui, vemos um aprimoramento nesse formato, onde cada decisão é crucial e pode resultar em diferentes linhas do tempo para os habitantes da cidade. Por exemplo, ao banir ou ascender um fantasma, pode haver consequências nos vivos. Essa dinâmica me impressionou profundamente, pois percebi que as escolhas feitas durante a primeira jogatina podem mudar drasticamente em uma segunda oportunidade.

O sistema de reviver ou não Antea é uma escolha recorrente ao longo do jogo, e mesmo que você mude de ideia durante a jornada, os próprios personagens questionam a validade de suas escolhas. Assim, você tem a oportunidade de revisitar essas decisões. Os colonos estão praticamente nas mãos de Red e Antea, que assumem o papel de juízes dos destinos dos vivos e dos mortos. Cada missão é concluída com um momento de escolha, onde você decide se sacrifica vidas para reviver Antea ou se prefere banir ou ascender os mortos, fornecendo energia vital para Antea permanecer como um fantasma. Prepare-se para momentos emocionantes e situações intensas ao longo da jornada.

O “mundo” de New Eden

Diferente de outros grandes jogos, Banishers: Ghosts of New Eden não apresenta um mundo totalmente aberto. Em vez disso, a inspiração aqui para a construção deste universo é claramente God of War, da Sony. Embora não seja um mundo aberto completo, temos um mapa vasto, com montanhas e rios que dividem as áreas onde o jogador pode explorar em corredores, campos, cavernas, praias e muito mais. A sensação é de um mundo aberto, mas na prática não é exatamente assim. Há uma variedade de atividades para realizar ao redor das cidades que os colonos criaram após os eventos iniciais da aventura, e nossos Banidores terão muito trabalho pela frente para completar cada uma das missões disponíveis no mapa.

As atividades vão desde a busca por colecionáveis até histórias paralelas e combates especiais. Embora haja alguma repetição nessas atividades, o jogo evita o erro comum de fazer com que o jogador se sinta preso em um ciclo repetitivo. Mesmo nas missões de combate, existem requisitos diferentes para cada uma, tornando cada local de combate único e desafiador.

Para desvendar toda a história de New Eden, é necessário completar as missões azuis, que apresentam casos diferentes para cada colono e oferecem recompensas únicas. Durante a exploração do mapa, você poderá colher diversos itens, como flores, plantas e minérios, que serão utilizados para a sua evolução ou para criar rituais capazes de trazer os mortos para o plano físico, seja para combater ou para descobrir mais sobre sua vida e determinar seu destino. No final das contas, fiquei impressionado com a profundidade do mundo de Banishers: Ghosts of New Eden.

Além disso, o design dos níveis é muito interessante, com muitos segredos escondidos, como baús e itens diferentes, que recompensam a curiosidade do jogador. Também há um backtracking interessante, que oferece a opção de retornar a cenários previamente visitados para abrir novos lugares e descobrir novas histórias.

Combate

Banishers

Embora Banishers: Ghosts of New Eden seja um jogo focado em escolhas e narrativa densa, a maior parte do tempo será dedicada ao combate. Nesse aspecto, sinto que haverá uma divisão significativa entre os jogadores. Como mencionado anteriormente, o jogo não possui um orçamento alto, e os movimentos durante o combate podem parecer um tanto rígidos. Não há um impacto evidente quando Red acerta os inimigos, e os movimentos dos inimigos também não são tão impressionantes. No entanto, houve um ponto crucial no jogo em que pegamos uma arma de fogo, e isso mudou bastante a dinâmica, já que passamos a alternar entre atirar e usar os poderes de Antea. Isso trouxe um novo elemento ao combate, especialmente porque criei uma build baseada no rifle, o que me permitiu explorar possibilidades de gameplay que antes não eram viáveis.

Enquanto jogamos com Red, podemos encher a barra de banimento, um especial poderoso capaz de derrotar inimigos com um único golpe, e também completar a barra de espírito, que nos permite controlar Antea. Podemos alternar entre os dois personagens pressionando um botão, e com Antea temos acesso a diversos poderes fantasmagóricos. A variedade de ataques disponíveis para ambos os personagens permite a criação de combos, adicionando profundidade ao combate de Banishers: Ghosts of New Eden. É essencial gerenciar a barra de Antea para não colocar Red em risco.

No entanto, apesar dessas mecânicas interessantes, a falta de fluidez nos movimentos durante o combate é notável em Banishers: Ghosts of New Eden. Mesmo com os recursos do estúdio e a experiência adquirida com Vampyr, sinto que o combate poderia ser aprimorado para proporcionar uma experiência mais envolvente e satisfatória.

Evolução

Banishers: Ghosts of New Eden apresenta um sistema de evolução bastante interessante, onde os jogadores devem utilizar pontos de habilidade e pontos de essência para aprimorar Red e Antea. No entanto, assim como em outros aspectos do jogo, é necessário fazer escolhas entre duas habilidades que ocupam o mesmo espaço na árvore de habilidades. Ao selecionar uma delas, você automaticamente perde acesso à outra. Portanto, é crucial prestar muita atenção nas habilidades disponíveis e entender se elas se complementam com o seu estilo de jogo.

Por exemplo, se você utiliza frequentemente o rifle em combate, pode optar por uma habilidade que acelera o preenchimento da barra de banimento ao acertar inimigos com o rifle. Por outro lado, outra habilidade pode aumentar o poder do rifle após derrotar um inimigo com um golpe corpo a corpo. Isso significa que ao utilizar o rifle para preencher sua barra de banimento e, em seguida, executar o golpe especial de banimento (que é um ataque corpo a corpo), você potencializa ainda mais o seu poder de tiro com o rifle, criando um ciclo de sinergia entre as habilidades. Essas combinações oferecem diversas possibilidades estratégicas que podem girar em torno de Red, Antea ou de ambos os personagens.

Portanto, é crucial planejar cuidadosamente como você deseja desenvolver seus personagens e escolher habilidades que se adequem ao seu estilo de jogo e às situações que enfrentará ao longo da aventura em Banishers: Ghosts of New Eden.

Progressão

Com Antea agora como uma fantasma, Red e ela têm acesso a poderes que antes um Banidor sozinho não conseguiria alcançar. Isso afeta diretamente a forma como Red combate e expande seus limites. Além disso, essa progressão influencia até onde eles podem chegar dentro do mapa do jogo. Embora muitos locais sejam acessíveis de imediato, outros exigem que Antea aprimore seus poderes, o que só é possível com mais energia vital.

Essa dinâmica não apenas adiciona complexidade ao combate, mas também tem um impacto na exploração do mundo do jogo. Antea, agora como uma entidade sobrenatural, pode interagir de maneiras diferentes com o ambiente e superar obstáculos que antes seriam intransponíveis. Isso cria uma sensação de progressão contínua e adiciona uma camada extra de estratégia à jogabilidade.

Praticamente todos os locais que inicialmente não são acessíveis estão bloqueados por energias espectrais, as quais Antea pode dissipar usando seus poderes. Isso resulta em momentos de backtracking gratificantes, que incentivam a exploração e descoberta de novos caminhos. No entanto, a falta de ferramentas de marcação no mapa pode levar a esquecer locais importantes que estavam bloqueados, à medida que você avança na história e no cenário. Apesar disso, a progressão geral é muito satisfatória e se integra harmoniosamente ao belo level design de Banishers.

A história de Banishers

Banishers: Ghosts of New Eden apresenta uma abundância de histórias entrelaçadas dentro do mesmo jogo. Enquanto acompanhamos a jornada principal de Antea e Red, somos convidados a explorar e aprofundar nas histórias de outros personagens, todas habilmente escritas. A Dontnod demonstra mais uma vez sua habilidade em criar roteiros envolventes e cativantes.

O interessante é que todas essas histórias convergem em torno do vínculo entre Red e Antea em New Eden. Ao ajudar os colonos locais, o jogador começa a questionar e a reavaliar suas decisões iniciais sobre o destino de Antea. A narrativa é, sem dúvida, um dos pontos mais fortes do jogo, e aqueles que optarem por explorar as missões paralelas certamente serão agraciados com grandes surpresas e reviravoltas.

Conclusão: Banishers: Ghosts of New Eden é tudo isso mesmo?

Banishers: Ghosts of New Eden é um ótimo jogo que derrapa na falta de experiência da Dontnod em alguns aspectos e no orçamento limitado para um game deste tamanho. Definitivamente é um jogo robusto, corajoso, cheio de ideias que outros games já utilizaram, mas que a Dontnod colocou seu tempero. Os grandes problemas aqui são o desempenho que poderia ser melhor e os movimentos gerais dos personagens, tanto na captura de movimento dos corpos quanto na expressão facial – que em um game como esse, poderia ter uma atenção um pouco maior.

Mas no final das contas, como um jogo de videogame, Banishers: Ghosts of New Eden agrada muito e traz ótimas horas de entretenimento. Ainda não é uma experiência inacreditável em um gênero cheio de grandes players, mas mostra que a Dontnod está evoluindo no seu próprio ritmo e isso pode resultar em games ainda melhores e maiores no futuro.

Torço para que exista sucesso com este game, pois gosto muito do estúdio. Assim, recomendo Banishers, mas se você tem dúvidas, espere por uma promoção, pois talvez você não aceite alguns problemas que mencionei pagando o preço cheio.

Banishers: Ghosts of New Eden: Banishers: Ghosts of New Eden é um jogo sólido que, apesar de alguns deslizes causados pela falta de experiência da Dontnod em certos aspectos e pelo orçamento limitado para um projeto deste porte, apresenta uma abordagem corajosa e cheia de ideias originais. Recomendo Banishers para aqueles que apreciam narrativas envolventes e estão dispostos a lidar com alguns problemas técnicos. Para quem tem dúvidas, sugeriria aguardar por uma promoção, pois alguns dos problemas mencionados podem afetar a experiência. M@xpay

8
von 10
2024-02-12T14:00:14-0300

Compartilhe

- PUBLICIDADE -

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

LIVES

TODOS OS DIAS

O melhor conteúdo do mundos dos Games para você! São LIVES diárias com os melhores jogos de luta, Últimos Lançamentos, Notícias, Temporadas da “Guerra das Torres (Mortal Kombat)” e da “Guerra das Ruas (Street Fighter)” com os melhores players do momento e muito mais! É só colar e mandar aquele “Salve”